Notícias

A criptomoeda mais famosa na China não é o Bitcoin; conheça a OneCoin

Os entusiastas das criptomoedas da China estiveram fora do mercado durante os últimos meses devido às proibições impostas, em setembro deste ano, pelo governo chinês em relação às ofertas iniciais de moedas e às corretoras de moedas digitais. Porém, não demorou muito para que eles encontrassem uma outra moeda para investir seus fundos. A OneCoin, criada pela empresa chinesa de tecnologia Xunlei, é a nova aposta dos investidores chineses.

De acordo com o artigo publicado pela Quartz, agência de notícias sobre economia, desde o seu lançamento, a OneCoin viu seu valor saltar dramaticamente em mercados secundários, chegando a valer 80 vezes mais em dado momento. Lembrando que a moeda digital não está disponível para negociação em nenhum mercado importante. A incrível jornada da OneCoin ajudou a posicionar a Xunlei como a empresa de melhor performance na bolsa de valores Nasdaq durante a maior parte dos últimos dois meses.

O preço das ações da Xunlei despencou nos últimos dias depois que a OneCoin foi alvo de escrutínio público. Isso ocorreu depois que um parceiro de negócios desencantado acusou a empresa de ser uma oferta inicial de moeda.

Pequim eventualmente irá intervir para proibir a OneCoin? Por quanto tempo pode durar o frenesi da criptomoeda? Estas são algumas das questões-chave feitas pelos entusiastas das moedas digitais, por investidores e por especuladores.

O que é exatamente a OneCoin?

Primeiramente é preciso falar da sua criadora, a Xunlei. Fundada em 2003, a empresa começou como uma plataforma de download de torrent, uma espécie de resposta chinesa para o site The Pirate Bay. Mais tarde, a Xunlei transformou-se em uma plataforma de streaming de vídeo com conteúdo, em sua maioria, licenciado. No final de agosto deste ano, a empresa anunciou que tornaria-se uma empresa de blockchain e lançou um hardware baseado na tecnologia denominado OneCloud.

Em essência, o OneCloud é um dispositivo de armazenamento conectado à rede que permite que vários usuários compartilhem o armazenamento online remotamente. Além disso, é uma “máquina de mineração” que permite aos usuários compartilhar sua banda larga ociosa com as redes de entrega de conteúdo da Xunlei e ganhar algum OneCoin como recompensa.

A OneCoin, também conhecida como Wankebi, pode ser usada para comprar serviços de valor agregado fornecidos pela Xunlei, por exemplo, armazenamento extra em seu serviço na nuvem ou baixar as velocidades de download para o seu software torrent. Ela foi projetada de forma semelhante ao Bitcoin. Atualmente, há mais de 1,6 milhão de OneCoins disponibilizadas a cada 24 horas. A recompensa será reduzida pela metade anualmente, e o número total de OneCoins será limitado a cerca de 1,5 bilhão.

A Xunlei não publicou o código da OneCoin, diferente das principais criptomoedas, como o Bitcoin e o Ethereum, que são de código aberto. A empresa executa um aplicativo de carteira para a moda que suporta transações ponto a ponto, mas não serviços de câmbio centralizados. Como mostrado pelos arquivos de instalação do aplicativo, a OneCoin é executada em uma blockchain privada baseada na rede Ethereum.

Qual o tamanho da atratividade da OneCoin?

A Xunlei disse que os mineradores da OneCoin devem concentrar-se na ideia de computação compartilhada ao invés de tentar ganhar dinheiro com especulação. Mas, aparentemente, as pessoas estão focando na criptomoeda por esse segundo motivo.

De acordo com um relatório da Beijing News, no final do mês passado, a OneCoin foi negociada por cerca de US$1,21 em vários grupos de bate-papo da QQ, uma rede social popular na China. Isso significa que multiplicou seu valor mais de 80 vezes em 40 dias desde o seu lançamento. Além disso, o dispositivo OneCloud, a ferramenta de armazenamento e mineração, foi vendida cinco vezes mais cara que seu preço original. Enquanto isso, mais de 24 milhões de pessoas pré-ordenaram o dispositivo através do site da Xunlei, que lutou para atender a demanda.

Durante a disputa, a emissora estatal CCTV exibiu um comunicado apoiando a inovação tecnológica por trás da OneCoin. Os especialistas financeiros respaldados pelo Estado entrevistados pelo programa descartaram a ideia de que a OneCoin é uma ICO, observando que Xunlei não levantou nenhum centavo com projeto.

A OneCoin será banida?

A OneCoin parece ter um status legal semelhante ao do Bitcoin na China, no qual a moeda em si é legal, porém a negociação é amplamente restrita.

A Xunlei anunciou recentemente a renomeação da OneCoin para “Lianke” e o aplicativo de carteira da OneCoin para “Lianke Pocket”. A empresa agora exige que todos os usuários da nova carteira inscrevam-se com seus nomes reais até dia 14 de dezembro. Caso contrário, eles não poderão usar a função de transação do aplicativo. Por último, mas não menos importante, a Xunlei disse que trabalhará junto com as autoridades para reprimir as plataformas de negociação ilegal de Lianke.

Na sequência do anúncio da Xunlei, o preço da OneCoin despencou para US$ 0,65 nesta segunda-feira, 11 de dezembro, no buywkb.com, site de negociação de criptomoedas de Hong Kong.

Fonte: Criptomoedas Facil

Deixe sua opinião