Blockchain Notícias

Alunos do Insper Criam Primeira Entidade Estudantil Para Estudo de Blockchain do Brasil

Para um grupo de estudantes de graduação instituto de ensino superior Insper, o Blockchain não é o futuro. É o presente. A ideia é que a tecnologia por trás do Bitcoin e outras criptomoedas, cuja utilidade vai de smart contracts à tecnologia automotiva, poderá se tornar imprescindível para o mundo dos negócios.

Foi com esse pressuposto em mente, que esses alunos resolveram fundar um projeto que se propõe a desenvolver habilidades necessárias para atender o mercado. Em meados de 2017, os idealizadores da blockchain Insper viram que grandes empresas investidoras em Blockchain não conseguiam achar parceiros nas universidades. Face a essa lacuna, veio a ideia de criar um nicho para fomentar o conhecimento sobre a tecnologia. Em setembro, a entidade seria criada formalmente.

Segundo o presidente e um dos fundadores do grupo, João Perpetuo, essa é a primeira entidade estudantil brasileira com foco em blockchain.

 

“Tinha algo muito maior por trás (de criptomoedas) que as pessoas estavam ignorando. Não havia nada parecido na América Latina, então pensamos em nós mesmos fazermos. Conversei com a vice-presidente da Insper e mostrei que talvez fosse a oportunidade do Brasil não sair tão atrás e podermos entender a tecnologia antes que o mundo inteiro faça na nossa frente”, disse Perpetuo.

A conversa deu certo e o grupo começou a crescer. No momento se desenrola um processo de inscrição para novos membros que já recebeu mais de 100 inscritos. O vice-presidente, Felipe Santos, acredita que o grande interesse se deve à urgência que a tecnologia assumiu: ”O Blockchain já está acontecendo, quem não entrar agora no mercado para estudar estará atrasado em seis meses”.

Em menos de um ano, o projeto parece estar dando bons frutos. Além do crescimento de interessados, o grupo atraiu parceiros e hoje trabalha com empresas conectadas ao mundo dos investimentos e de startups como a MAR Venture, Mosaico Digital Assets, Beetech e “f(x)”.

O pioneirismo do grupo também rendeu outro tipo de parcerias. A entidade do Insper participará do consórcio mundial de entidades estudantis de Blockchain (Global Blockchain University Iniciative – GBUI).

Nesse projeto internacional, estudantes de universidades americanas de ponta como o MIT e a Berkeley University, trabalham em colaboração com suas pesquisas.

Desafio da revolução blockchain

A exemplo do que vem ocorrendo em universidades americanas, não há como o Brasil ignorar o fato de que o blockchain tem sido visto como a nova revolução do mercado.

A questão, contudo, está em como preparar um pessoal qualificado para atuar nesse campo. A solução encontrada pelos grupo do Insper criar uma plataforma para oferecer ferramentas mínimas de conhecimento sobre o assunto e separar os grupos por área de atuação.

Santos explicou que para entrar entidade estudantil existe um processo seletivo. Os novos  pesquisadores passam por uma análise de perfil, para ver se encaixam no perfil procurado e, depois de aprovados, precisarão passar por um “curso-base” de duas semanas. O protocolo escolhido foi o da Dragonchain, que os estudantes terão de antemão.

Perpetuo afirmou que as áreas de atuação serão basicamente divididas em desenvolvimento e business. A intenção é criar um hub na qual essas áreas distintas de conhecimento “conversariam” entre si e se complementariam.

Por fim, o outro braço será o de produção de informações. O diretor da área de conteúdos, Thiago da Costa, disse que serão produzidos artigos periodicamente, mas que também haverá um conteúdo de estudos e relatórios que serão apresentados em longo prazo sobre o tema, que estará disponível para o público através da revista da Insper Post.

Ganhe alto com a Binance

A maior e mais confiável das exchange está aceitando novos cadastros por tempo limitado, aproveite e obtenha grandes lucros no mercado de criptomoedas com essa incrível plataforma de trading.

Acesse já: https://www.binance.com

  

 

Deixe sua opinião