Notícias

Chinês é preso por roubo de R$ 10,1 milhões em bitcoins

A imprensa chinesa divulgou neste no último fim de semana que uma investigação iniciada em julho pela Polícia da Província de Henan ajudou a colocar na cadeia um moderador de um grupo de entusiastas da criptomoeda chamado Dai pelo roubo de 188.31 bitcoins, que valiam 20 milhões de yuans (mais de R$ 500 mil) na época do crime. Com a alta valorização da moeda nos últimos meses, a quantia corrigida seria de R$ 10,1 milhões.
A vítima conhecida pelo sobrenome Wu é um investidor com certa experiência no mercado de moedas digitais. No início do ano, ele foi convidado para entrar em um grupo de bitcoiners no WeChat, um popular aplicativo de mensagens chinês.
Segundo Wu, o moderador do grupo (Dai), costumava compartilhar links de notícias sobre hacks de corretoras e crimes contra os investidores. Com o tempo, Wu começou a compartilhar seus medos frente ao perigo de ser vítima de um golpe com Dai após adicioná-lo como “amigo”.
Pouco depois, o moderador enviou um aplicativo para Wu para que ele criasse uma nova carteira de bitcoins mais “segura”. Estava pronta a armadilha.
Sem pensar duas vezes, Wu baixou o programa e transferiu todos os seus 188.31 bitcoins para o novo endereço. O problema é que ele não conferiu a transação e só percebeu que havia sido enganado uma semana depois.
Desesperado, Wu confrontou Dai sobre o incidente e exigiu conhecer pessoalmente o moderador que negou a oferta. Para consolar a vítima, Dai transferiu 120 mil yuans para Wu dizendo: “Sinto muito por você. Afinal, eu recomendei aquela carteira. Como um gesto de boa vontade te darei 120 mil yuans”;
Estranhando a atitude de dar dinheiro para um desconhecido que perdeu tudo, Wu procurou a polícia.

A prisão

Após checar o histórico das conversas no WeChat, as autoridades identificaram Dai como suspeito da investigação preliminar. Ele foi preso em Xangai com 27 cartões de crédito diferentes e diversos laptops. Em um dos computadores, os policiais encontraram uma carteira de Bitcoin idêntica a que ele teria indicado para Wu.
Em depoimento, Dai admitiu ser programador e confessou o crime. De acordo com o homem, a carteira de Bitcoin sugerida por ele transferia os saldos diretamente com os nomes das contas e as senhas da vítimas diretamente para sua conta pessoal. Toda vez que alguém enviasse uma quantia para a carteira falsa, os valores eram imediatamente transmitidos para sua carteira própria. A partir desse momento, ele venderia ou trocaria os montantes, visando não deixar rastros. Três roubos foram feitos da mesma forma.
A polícia encontrou e congelou as contas bancárias do criminoso e recuperou US$ 2 milhões, o equivalente a R$ 6,6 milhões.
A sentença do criminoso não foi divulgada, mas ele não deve sair da cadeia tão cedo.

Fonte: Bitcoin Brasil

Deixe sua opinião