O navio de Teseu (ou o paradoxo de Teseu) é uma questão há muito debatida desde os antigos filósofos. Há muitas variações, mas todas elas fundamentalmente fazem a mesma pergunta.

Imagine um navio antigo. Ele passou por diversas viagens em diversos mares, sobreviveu a muitas batalhas e sua tripulação diz que foi abençoada pelos deuses.

Depois de mais uma batalha, considere que o navio sofreu danos irreparáveis na vela e ela devesse ser trocada. Depois da troca, você diria que o navio permanece o mesmo?

Eu imagino que a maioria das pessoas responderia que sim.

Ao trocar a nova vela, a tripulação nota que o mastro foi duramente enfraquecido e decidiu que seria uma boa hora de trocar o mastro também. Você diria, então, que esse ainda é o mesmo navio?

Depois de alguns anos, devido ao uso intenso, todos os remos são renovados. Então, alguns anos depois, foi trocado o casco, o arco, a âncora e todas as demais partes do convés foram trocadas por peças novas.

Você ainda consideraria esse como o mesmo navio?

Talvez? Talvez depois de muitas noites de sono essas novas partes venham a se tornar parte do navio? É o navio um espírito, feito de suas partes?

Agora, e se as velhas partes que foram substituídas, ao invés de terem sido jogadas fora, fossem usadas para reconstruir um segundo navio. Cada peça do navio original A sendo usada para construir o agora navio B. Qual deles seria o navio original?

Esse pensamento tem captado a atenção de incontáveis pessoas. E é algo que às vezes eu penso quando considero as similaridades ente o Bitcoin (BTC) e o Bitcoin Cash (BCH).

Duas tripulações gritando obscenidades uma à outra pelo mar. Cada qual acreditando ter o navio original e que é o seu navio que é abençoado pelos deuses.

Seria justo dizer que o BTC é o navio A? Deveria a Lightning Network ser ligada ao navio principal ou ao bote salva vidas, ou deveria fornecer uma nova rota para atravessas o vaso oceano?

É o BCH o navio A? Construído no topo de seu deck para acomodar uma tripulação maior?

Eu não presumo ter as respostas. Tenho opiniões e tendo a perceber as regiões cinzentas entre os opostos. Me sinto como um membro da tripulação do BTC por longo tempo. Talvez eu não goste de como a tripulação vinha se comportando. Mas é o BCH um navio em linha com meus ideais? Não existe propósitos suficientes para ambos os navios?

Talvez eu esteja traçando comparações sobre como o BTC era tratado, para como o BCH é agora. Vendo essa mesma luta. Deveria eu manter alianças com o navio que tem sido meu lar? Ou há um motim em andamento? (Forte, eu sei) mudamos nosso curso?

Às vezes eu me vejo envolto em mais questões. Um debate sensível é difícil de acontecer. E as massas são encorajas a denegrir, voltando a ataques pessoais e argumentos pobres. Geralmente influenciadas por aqueles que têm voz mais forte.

Alguns anos atrás, eu usava um marcador/anagrama em meu nome. O resultado mais alto (usando todas as letras menos o L) era “misoneismo”. A definição do dicionário para essa palavra é “medo, ou ódio de mudança”. Isso imediatamente me chamou a atenção. Um senso de ironia sobre as batalhas do Bitcoin contra o status quo estabelecido.

Conquanto não seja algo sempre fácil de se procurar. Isso tem se tornado quase um mantra para que eu questione tudo e me force a crer que eu não sei nada. Sou um estudante. Observador. Tentando encontrar razão no meio do barulho todo.

(Simon Miles)

Fonte: medium.com/


Ganhe alto com a Binance

A maior e mais confiável das exchange está aceitando novos cadastros por tempo limitado, aproveite e obtenha grandes lucros no mercado de criptomoedas com essa incrível plataforma de trading.

Acesse já: https://www.binance.com